Blog Cupola

Vendas de médio e alto padrão sobem, crédito para os mais pobres desce

Por , em

Resultados prévios das incorporadoras listadas na Bolsa apontam crescimento de 36% nos lançamentos em 2019, segundo o Valor Econômico. Já as vendas cresceram 27% no ano que passou. O jornal analisou dados da Cyrela, Direcional Engenharia, Even Construtora e Incorporadora, EZTec, Helbor, MRV Engenharia, RNI Negócios Imobiliários, Tenda e Trisul. 

O bom desempenho teve alguns estímulos: quedas seguidas dos juros, redução do estoque de imóveis prontos, além de mais e melhores opções de crédito imobiliário. Sobre o crédito, chama atenção o movimento de portabilidade entre bancos, que aumentou 175% de janeiro a novembro de 2019, comparado ao mesmo período de 2018. E deve se intensificar: a partir de abril, será possível fazer portabilidade entre os sistemas de financiamento, SFH e SFI. A operação é interessante para quem financiou um imóvel pelo SFI antes de 2018 – até este ano, o limite de financiamento alcançava imóveis de R$ 950 mil. Estes poderão migrar para o SFH (que costuma ter taxas mais baixas) e utilizar o FGTS.

Tudo isso vem puxado por lançamentos e acesso ao crédito para as classes média e alta. Já a capacidade de financiamento das famílias mais pobres caiu 25% entre 2017 e 2018. O cálculo foi feito por economistas do Observatório Brasileiro de Crédito Habitacional, que simularam a capacidade de financiamento de todos os patamares de renda, a uma taxa de juros real de 5% ao ano, em 180 meses, utilizando o sistema de amortização Price.

A alta taxa de desempregados é uma das razões para este quadro, que é agravado pelo aumento no número de empregos informais. Ambos diminuem a renda familiar e, por consequência, a capacidade de aceite de financiamentos por parte de bancos. “Não adianta ter tanto otimismo com a recuperação do mercado imobiliárioporque esse crescimento não está levando todo mundo. É de um setor, de um mercado específico, que está deixando a maior parte das pessoas para trás”, comenta o economista Henrique Bottura Paiva, pesquisador da UNB e da Fipe, um dos autores do estudo. E complementa: “fica difícil imaginar uma significativa expansão do setor [imobiliário] quando seu público potencial restringe-se a uma fatia tão pequena da população”.

Em 2019, o Governo Federal não contratou novas moradias para a faixa 1 do Minha Casa Minha Vida, destinadas à população de baixíssima renda. Altamente subsidiada – leia-se: que consome mais orçamento da União – a contratação de habitações deve ser substituída pela distribuição de vouchers às famílias, mas essa política segue indefinida pelo governo… 

…o que faz empresários repensarem a política habitacional. Em artigo publicado na Folha de S. Paulo, André Czitrom, presidente da incorporadora Magik JC, afirma: “O que parece inviável é deixar sob responsabilidade apenas do poder público a criação de soluções de moradia popular. A iniciativa privada tem o expertise, foco e tempo para isso, podendo contribuir através de parcerias para liberar o Estado para pensar a forma de legislar a favor do desenvolvimento sustentável e equilibrado”.

Enquanto isso não é resolvido, a demanda por imóveis para as famílias mais pobres aumenta, assim como a atuação de grupos criminosos no mercado imobiliário. Se em 2019 vimos o desabamento de dois prédios construídos e alugados pela milícia no Rio de Janeiro, neste começo de 2020 já há notícias sobre o avanço do PCC em imóveis de São Paulo. A facção criminosa adminsitra aluguéis, taxas de manutenção e segurança, além de atuar na venda de terrenos e apartamentos invadidos. Investigação das Polícias Civil e Militar, além de dados da inteligência do governo paulista e do portal GeoSampa apontam envolvimento do crime organizado em 125 endereços, nas cinco regiões da capital paulista e também na Grande São Paulo.

Retrato da desigualdade social, é também em São Paulo que os pets ganham cada vez mais espaço nos lançamentos imobiliários. As áreas de lazer dedicada a cães, gatos e outros animais domésticos praticamente viraram pré-requisitos nos novos empreendimentos. Há, por exemplo, lançamentos com playground canino de 298m². Para quem não mora num desse, pode deixar o novo serviço do Spotify, a Pet Playlist, tocar no seu apartamento.

Imobiliárias

Ao selecionar notícias importantes para você ler, estamos fazendo curadoria. Mas se engana quem pensa que ela é exclusividade do jornalismo. Há imobiliárias apostando no conceito de curadoria de imóveis para diferenciar-se no mercado. As “corretoras boutique” estão de olho em público específico, que demandam imóveis específicos. No site da Axpe, por exemplo, é possível filtrar categorias como vintage, arquitetura de autor, algo especial, mirante, verdes e descolados. 

Após dois anos, o preço médio dos imóveis residenciais à venda parou de cair. A constatação vem de dados coletados pelo Índice FipeZap, com imóveis anunciados em 50 cidades brasileiras. Já os imóveis comerciais seguem em declínio: são cinco anos seguidos de baixa. Em 2019, houve uma queda real nos preços anunciados de 6,63%, considerando a inflação do IPCA. 

Por outro lado, 2019 apresentou alta real no preço dos aluguéis. O aumento médio foi de 4,93% no Brasil, ante uma inflação de 4,31% no período. Florianópolis foi destaque entre as capitais, puxando a média nacional para cima com uma taxa de 14,79% na variação nos preços.

Agenda

Os ingressos para a sétima edição do Conecta Imobi, maior evento do imobiliário brasileiro, já começaram a ser vendidos – e o primeiro lote já esgotou. A edição de 2020 acontecerá nos dias 6 e 7 de outubro. Com expectativa de público de 9 mil participantes, contará com mais de 100 palestrantes e 50 expositores. 2º lote disponível aqui.

Mundo

O mercado imobiliário de luxo sofre contínua queda em Nova York. Mesmo com as baixas taxas de juros, o setor continua em declínio com um estoque de imóveis acumulados. Segundo relatório da corretora de luxo Olshan Realty, publicado pelo Valor Econômico, os contratos assinados em Manhattan, de R$ 4 milhões ou mais, caíram 16% em 2019, alcançando patamar mais baixo desde 2012.

Ainda sobre Nova York, na última década, devido à súbita alta dos aluguéis e o comércio on-line “efeito Amazon”, a cidade registrou um aumento de 50% de lojas esvaziadas. Os pequenos comércios costumavam ocupar dois terços dos imóveis comerciais, mas a derrocada destes negócios se intensificou ainda mais após o aumento no número de depósitos de mercadorias das redes de e-commerce.

Enquanto isso, para estimular o mercado de imóveis e enfrentar a crise de acessibilidade em Nova York, a câmara municipal da cidade decidiu construir cerca de 300 mil casas com preços mais acessíveis aos nova-iorquinos. A especialista Ana Ariño, vice-presidente executiva da Agência de Desenvolvimento Econômico do Conselho da Cidade de Nova York, explica que a habitação acessível destina-se não apenas a habitantes de baixa renda, mas também a famílias de classe média que ganhem até US$ 159 mil dólares anualmente. A expectativa é construir os imóveis até 2026

Estamos de Olho

Um investidor mais exigente pode ter sido o motivo para a queda em investimentos em fundos imobiliários nos EUA, a exemplo do movimento observado no Brasil no início do ano. Lá, o último trimestre de 2019 foi o mais baixo desde 2013. Investidores, inclusive, estão “esverdeando” seus portfólios, com exigências de investimentos mais sustentáveis.

Este movimento chega com mais força para o mercado imobiliário, mas já está acontecendo em vários setores. Em 2019, uma carta assinada por mais de 1000 funcionários da Google pedia para a empresa eliminar as emissões de carbono. Como resposta, a gigante lançou uma aceleradora de startups focadas em sustentabilidade e mudanças climáticas. Assuntos ambientais, inclusive, foram boa parte da pauta do Fórum Econômico Mundial, realizado em Davos, na Suíça, na última semana.

A Fifth Wall, investidora da Loft, também lançou um fundo de US$ 200 milhões para ajudar o setor imobiliário a reduzir sua pegada de carbono. Para o cofundador Brendan Wallace para a Housing Wire: “É imperativo que todo o setor imobiliário aceite a responsabilidade de ser o maior contribuinte da crise das mudanças climáticas. Essa é uma das lutas mais importantes da nossa geração. A Austrália está pegando fogo, o Brasil pegando fogo e as pessoas estão morrendo. Se essa não é sua prioridade número um como proprietário de imóveis, você errou suas prioridades”.

Categorias

Imobi Report

Continue lendo

Vistorias prediais em pauta após desabamento de prédio em Fortaleza

Hoje, faz uma semana que o Edifício Andréa desabou em Fortaleza. O episódio ocasionou a…

Ver mais

Quem tem medo de startups?

Jordan Peterson, doutor em psicologia e professor na Universidade de Toronto, separa as experiências humanas…

Ver mais