Blog Cupola

Saiba o que rolou no Real Estate Summit do Facebook

Por , em

Como antecipado na última edição, o CEO da Agência CUPOLA, Rodrigo Werneck, participou ontem do Real Estate Summit 2019, realizado pelo Facebook. E compartilha suas impressões com os leitores do Imobi Report:

O Marketplace do Facebook avança sobre o mercado imobiliário brasileiro, com novidades nas próximas semanas. Usada por 800 milhões de pessoas por mês em todo o mundo, a plataforma terá integração com os principais portais agregadores de ofertas (para não precisar integrar com diferentes softwares do segmento) e os imóveis serão publicados sem custo para os anunciantes, no caso, as imobiliárias. Se elas quiserem impulsionar seus imóveis no feed do Marketplace, aí será preciso colocar a mão no bolso.

A ferramenta começa a rodar só com imóveis de locação. Depois, ainda sem prazo, abrangerá imóveis à venda. Para entender como vai funcionar, teste a pesquisa de carros no Marketplace. Como o Facebook lidará com anúncios duplicados, uma chaga dos portais, é um ponto a ser observado.

Considerando evoluções para outros segmentos, não exclusivas do mercado imobiliário, a família de apps do Facebook terá novidades em mensageria, vídeo, stories e no core (o bom e velho feed de notícias).

Falando em tom confidencial, mas nem tanto, o time de produtos sinaliza para 2019 o início em beta de uma caixa de entrada unificada que reúna mensagens trocadas em todas as plataformas. No WhatsApp, queridinho dos brasileiros, o foco deve ser o envio de documentação transacional, algo já explorado pelo Quinto Andar, e um catálogo de produtos no status do app.

A versão business do WhatsApp, aliás, foi enfaticamente colocada como uma solução para microempresas e profissionais autônomos, e não para o mercado imobiliário, que deve buscar APIs e caminhos mais sofisticados.

O Facebook segue apostando nos anúncios de geração de cadastros como a principal recomendação de investimento em mídia para o mercado imobiliário. Este formato de mídia logo estará disponível dentro do Messenger. O Facebook jura que o app segue com apelo entre os usuários. Discutível.

Dica do time de criativos do Facebook para os anúncios: aposte em vídeos sem som, em formato vertical e com movimentos intensos logo no início.

VENDAS

Além de todo o impacto ambiental causado pela tragédia de Brumadinho, mais problemas aparecem conforme o tempo passa. O mercado imobiliário de regiões próximas de barragens sofre uma queda acentuada nos preços dos imóveis. Todos os segmentos são afetados, de casas simples a condomínios de luxo. Além disso, muitos moradores das regiões de risco simplesmente abandonaram suas casas, pela impossibilidade de vender. Outras pessoas, sem condições de se mudarem, seguem morando próximas às barreiras.

ALUGUEL

Ainda sobre a tragédia em Minas: a Vale anunciou que vai disponibilizar casas de aluguel para famílias que moram perto de barragens em risco. São 272 pessoas que estavam hospedadas em hotéis, pois suas casas estão localizadas no caminho que a lama passaria caso houvesse rompimento.

Locatários recorrem cada vez menos ao fiador. Depósito caução, seguro-fiança e título de capitalização têm encontrado mais espaço como novas salvaguardas no aluguel de imóveis. Dados do Secovi-SP apontam queda nos contratos de locação com fiador na capital, de 48,5% em 2007 para 45,5% em 2018 – uma margem ainda pequena, mas com curva constante.

A Ikea, tradicional fabricante de móveis sueca, embarca na tendência da economia do compartilhamento com um serviço de aluguel de móveis por assinatura. Ainda em teste, o modelo permite que móveis sejam locados, aproveitados e testados pelos consumidores por um período determinado. Quando devolvido, o móvel é restaurado e colocado para alugar novamente.

O Airbnb fez a maior aquisição da sua história. Em negócio estimado em mais de 400 milhões de dólares, a empresa comprou o HotelTonight, portal de ofertas para hotéis menores e independentes. De acordo com o Airbnb, a procura por acomodações de hotéis e pousadas subiu 152% em 2018.

O Airbnb também vai projetar casas, já neste ano. O projeto Backyard (quintal) promete desenvolver novas formas de construir e compartilhar casas.

TECNOLOGIA

Devagar, a impressora 3D encontra seu espaço na construção civil. Na Holanda, um pequeno prédio está sendo construído com camadas impressas. Em 2016, o país também recebeu uma microcasa feita com a tecnologia.

Nos EUA, a startup Icon construiu uma pequena casa em menos de 48 horas – e dentro das leis de construção locais. Na China, uma ponte de 26 metros foi construída em apenas 18 dias. Foi criada a partir de impressoras 3D, blocos e placas de concreto, e testada para garantir segurança a pedestres.

Outra tecnologia transformando a construção civil é a digitalização de serviços. No Brasil, a Eunos desenvolveu um Engenheiro Digital que faz planejamentos, orçamentos, acompanhamentos e controle de obras.

MUNDO

O mercado imobiliário chinês pode estar prestes a entrar em colapso. O país tem 65 milhões de apartamentos vazios, em diversas cidades. Estima-se que 80% da riqueza dos chineses está na forma de imóveis, um valor correspondente a incríveis 65 trilhões de dólares.

A moradia é considerada um investimento seguro no país, uma vez que os cidadãos têm restrições de investimentos e ações. Um apartamento de 100m² custa cerca de 297 mil dólares. A título de comparação, um trabalhador ganha, em média, aproximadamente 880 dólares por mês. Este vídeo explica como o país chegou onde está.

Enquanto a Venezuela passa por uma crise humanitária, investidores veem o país como oportunidade, já que os imóveis estão com valores baixos e desvalorizados. Dados da Câmara Imobiliária Metropolitana apontam que o metro quadrado em Caracas caiu 84% entre janeiro de 2014 e setembro de 2018. A origem da insegurança é, claramente, a instabilidade política.

CONSTRUÇÃO CIVIL

Há algumas edições, comentamos sobre o bairro Pinheiro, que afunda em Maceió. Neste mês, completa-se um ano dos primeiros tremores. Ainda não foram descobertas as causas e mais de 160 imóveis já foram condenados pela Defesa Civil. Com rachaduras, fendas, trincas e buracos em casas, prédios e asfalto, ainda há 330 imóveis em áreas consideradas de altíssimo risco. A região já ganhou ares de cidade-fantasma.

O Governo de São Paulo pretende lançar até abril o Nossa Casa, que prevê a construção de 60 mil imóveis no estado até 2022. O programa visa famílias com renda de até dez salários mínimos. O projeto ainda depende de negociações com os municípios que deverão ceder a algumas condições, como renúncia fiscal e mudanças nas regras de controle urbano.

JURÍDICO

A MRV adotou uma solução de inteligência artificial para evitar processos judiciais e fraudes. O sistema procura identificar o que levou os clientes a entrarem com processos e procura facilitar os acordos legais. Também consegue identificar potenciais fraudes na justiça.

Você sabe como a nova Lei do Distrato Imobiliário pode afetar o seguro garantia? Visando principalmente os casos de atrasos na entrega de imóveis e situações envolvendo desistência de negócios de imóveis na planta, uma análise do advogado Vitor Boaventura para o portal Jota explica como e de quais formas o seguro garantia pode sofrer alterações.

Já assinou o Imobi Report? Inscreva-se no site imobireport.com.br e receba as edições primeiro. É grátis!

Também estamos nas redes sociais: acompanhe-nos no facebook, no instagram ou no twitter.

Categorias

Imobi Report

Continue lendo

Imóveis flexíveis e conectados: as novas formas de morar

A capa da Revista Época da última semana anuncia: cidades inteligentes. A reportagem descreve como a cidade…

Ver mais

Conecta 2019: cliente no centro de tudo, nada acima das pessoas

Experiência do cliente. Humanização. Pessoas em primeiro lugar. Da entrevista de abertura ao encerramento do Conecta…

Ver mais