Blog Cupola

QuintoAndar entra no mercado de compra e venda de imóveis

Por , em

O QuintoAndar entrou no mercado de compra e venda de imóveis residenciais. A operação piloto estreou ontem, dia 2 de dezembro, com a abertura da plataforma para a captação de apartamentos usados no Centro de São Paulo e nas zonas Oeste e Sul da capital. O preço dos imóveis deve variar de R$ 200 mil a R$ 3 milhões e o QuintoAndar cobrará uma taxa de corretagem fixa de 6% por transação.

“A linha entre alugar, comprar e vender imóveis está cada vez mais tênue”, disse o cofundador e presidente da startup, Gabriel Braga, para o Valor. Ele avalia que proprietários que já usam a plataforma para alugar seus imóveis podem ter interesse na venda. E que o mesmo ocorre com os inquilinos, que podem manifestar interesse pela compra.

A promessa com a nova operação segue a linha adotada com a locação: menos burocracia. O QuintoAndar já está trabalhando em parcerias com bancos para uma solução de financiamento imobiliário, o que portais como o ZAP já oferecem. E anunciou que deve fazer parcerias também com outras imobiliárias – algo já tentado em locação, mas que enfrentou enorme resistência entre os imobiliaristas – e com incorporadoras, para atuar na venda de unidades novas.

“É curioso notar o fato de eles, talvez por serem uma empresa de outra geração, usarem informações antigas num contexto de inovação. Eles mencionam que o processo de compra e venda hoje dura em média 480 dias, e esta é uma informação totalmente desatualizada”. O comentário é trecho de uma publicação feita no LinkedIn por Florian Hagenbuch, CEO da Loft, agora concorrente do QuintoAndar, que foi além: “Eles estão certos, o que é bom tem de ser copiado. Vemos como uma homenagem”. A provocação refere-se ao uso de pequenos caminhões para publicidade em São Paulo, estratégia usada primeiro pela Loft e, depois, pelo QuintoAndar. 

Quem também ingressa nessa disputa é a Kzas, com uma aposta ousada na privacidade dos usuários. Nela, compradores indicam suas preferências e a inteligência artifical da Kzas busca imóveis que “dão match” com este cliente. Toda a negociação – incluindo financiamento e registro do imóvel – é conduzida por meio da plataforma e os dados do comprador são mantidos em anonimato. Nada de telefone, e-mail ou informações sobre renda nas mãos do vendedor. O modelo de negócios foi apresentado no WebSummit, em Lisboa, e já nasce respeitando o que manda a Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD).

Para entender como a LGPD vai afetar o mercado imobiliário, a CUPOLA promove na próxima semana um webinar dedicado ao tema. Participam da transmissão Rodrigo Werneck, CEO da CUPOLA, e Carlos Alexandre Perin, sócio-fundador da Perin & Dallazem Advogados. Será no dia 10 de dezembro, às 10h. A inscrição para assistir on-line é gratuita.

O aumento das taxas de condomínio em São Paulo faz com que os proprietários baixem os valores do aluguel. Pesquisa realizada pela LAR.app aponta a má gestão como a principal vilã da cota condominial. “Quando alguém vai alugar um apartamento, costuma olhar o valor total. A pessoa soma condomínio e aluguel e avalia quanto vai custar para morar ali. Então, dentro desse valor fechado, à medida que o condomínio aumenta, o aluguel precisa diminuir. Trata-se de uma verdadeira ‘conta da ineficiência’, que eleva o valor dos condomínios e deprecia o valor dos aluguéis”, disse ao Estadão o CEO da LAR.app, Rafael Lauand.

Incorporadoras

A construção civil brilha na bolsa de valores brasileira: as 11 incorporadoras listadas bateram recorde em valor de mercado, no último dia 21 de novembro. Segundo o Money Times, a soma chegou a R$ 42,4 bilhões. 

Com a inflação controlada e juros baixos, a atividade da construção civil impulsiona a geração de empregos. Segundo a Confederação Nacional da Indústria (CNI), em entrevista ao G1, o setor alcançou o maior nível de atividade e emprego dos últimos sete anos. “Os resultados consolidam a tendência de crescimento do setor”, avaliou a CNI.

O mercado imobiliário se recupera, mas o crédito para a habitação popular preocupa. “Todas as projeções são de otimismo, mas a fonte de financiamento é uma preocupação. Temos certeza que o mercado de classe média vai embora, vai em frente, mas nos preocupa o orçamento cada vez menor justamente onde se concentra o déficit”, afirma o presidente da Cbic para a Folha de S. Paulo. Por outro lado, segundo a Abrainc, a redução dos juros pode dar acesso ao crédito para 2,8 milhões de famílias.

Tecnologia

Que ano para a SoftBank. Em curta retrospectiva: a WeWork, uma das startups investidas pelo fundo japonês, passou por um desastre na abertura do IPO. O seu valuation caiu mais de US$ 30 bilhões em poucos dias e a SoftBank prometeu desembolsar US$ 5 bilhões para segurar as pontas. Os investidores japoneses acabaram fechando o ano com um prejuízo de US$ 6,5 bilhões.

A WeWork continua apresentando resultados negativos. No terceiro trimestre, perdeu cerca de US$ 1,25 bilhão. A gigante dos coworkings já demitiu mais de 2.400 colaboradores e está terceirizando mais de mil empregos. Estes, que não eram sindicalizados até então, estão se organizando coletivamente e cobrando responsabilidade da companhia. A WeWork também está sofrendo investigações da Comissão de Valores Mobiliários americana por suas práticas financeiras. Enquanto isso, a SoftBank trabalha no “pacote de resgate” da startup. Já investiu US$ 1,5 bi e está levantando fundos para bancar outros US$ 3 bilhões. (inglês)

Esqueça o hype. O CEO da SoftBank, Masayoshi Son, declarou que vai mudar o foco de investimentos do seu fundo, dando prioridade para startups com fluxo de caixa sustentável e estável. Em suas palavras: “Sem múltiplos valores brutos da mercadoria, sem receita ou assinantes. Estes são valores difíceis de justificar [para os investidores]. Um múltiplo de fluxo de caixa livre, nada mais. Esqueça o hype”. (inglês)

Três startups do imobiliário investidas pela SoftBank e que podem ser afetadas pela decisão são a Compass, a Opendoor e a Katerra. Há a possibilidade de que elas tenham que segurar as pontas e mudar algumas estratégias, focando na garantia de lucro. A Katerra, em especial, startup que pré-fabrica componentes de construção, viu seu CEO substituído pela terceira vez em quatro anos – um mau sinal. (inglês)

Já a Compass está sendo processada pela Realogy por práticas comerciais injustas e ilegais, “com objetivo de vencer seus rivais a todo custo”. Há alguns dias, a startup acusada procurou um juiz para solicitar que o processo fosse resolvido fora dos tribunais. A Compass argumenta que ambos são membros do Conselho do Mercado Imobiliário de Nova York, e que devem se sujeitar às regras do grupo, que exigem que os membros resolvam disputas sem a participação do Judiciário. (inglês)

Mundo

A Ikea irá construir casas sustentáveis no Reino Unido. A gigante da decoração tem uma parceria com a Skanska, uma companhia de construção offsite, e já tem casas na Suécia, Finlândia, Dinamarca e Noruega. Um conselho britânico de residências acessíveis autorizou as construções e oferecerá as terras, cobrando apenas uma renda anual pelo uso. Em contrapartida, receberá 30% das propriedades para usar como moradias populares, enquanto as demais poderão ser vendidas. (inglês)

Já em Seattle, nos EUA, a Amazon deverá abrir no início de 2020 um abrigo para pessoas em situação de rua localizado dentro da sua nova sede. Além de subsidiar a construção, a gigante de tecnologia se comprometeu a arcar os custos com a manutenção, serviços e segurança oferecidos. O abrigo faz parte de uma parceria da Amazon com a Mary’s Place, uma instituição sem fins lucrativos que atende mulheres, crianças e famílias em situação de rua. Apesar dos esforços, a Amazon amarga uma grave crise de imagem na cidade: muitos moradores atribuem à empresa, com razão, o aumento nos custos de vida e o crescimento da desigualdade local. (inglês)

Dois adultos com seus respectivos salários, três filhos e nenhuma casa. Esta é a história de uma família que mora em uma van em Salinas, Califórnia, EUA. A cidade localizada no condado de Monterey tem cerca de 8 mil crianças em idade escolar que moram nas ruas. Variando o pouso entre o meio da rua, fazendas ou estacionamentos de hospitais, o California Sunday conta mais sobre a rotina da família que mora em uma região onde a agricultura é tão forte que é conhecida por “alimentar a nação”. Perto do Vale do Silício, Salinas foi ocupada por gigantes da tecnologia e viu o custo de vida alcançar níveis muito altos, colocando várias pessoas nas ruas. (inglês)

Estamos de Olho

Um artigo do Conselho de Real Estate da Forbes traz o tema “Tecnologia no mercado imobiliário e a conexão humana: maximizar eficiência sem perder o contato pessoal”. A autora trata sobre como a empatia, a compreensão e algumas habilidades humanas são difíceis de serem reproduzidas pela inteligência artificial, por enquanto. E traz dados, como uma pesquisa recente que apontou que nove em cada dez adultos da geração Z (nascidos entre a metade dos anos noventa e 2010) gostaria de um corretor para comprar um imóvel. Esta geração, nascida na tecnologia, quer um corretor participativo, que entenda suas demandas e valores, e consiga encontrar casas que são uma extensão desses valores.

Ainda no artigo, são levantadas três dicas para usar a tecnologia a seu favor: use a tecnologia para facilitar o contato e converter leads, para manutenção do relacionamento com clientes já existentes e para conhecer melhor sobre seus clientes e suas necessidades. Artigo completo, em inglês.

Categorias

Imobi Report

Continue lendo

Fim do monopólio da Caixa sobre FGTS gera disputa em Brasília

Está em curso uma disputa pela gestão do FGTS. Ontem, notícia do Globo afirmava que o Governo Federal…

Ver mais

Saiba o que rolou no Real Estate Summit do Facebook

Como antecipado na última edição, o CEO da Agência CUPOLA, Rodrigo Werneck, participou ontem do…

Ver mais